18.7 C
Brasil
quinta-feira, julho 7, 2022

Vacinas para cães: quais são e quando aplicá-las?

Publicidade

Os filhotes são muito suscetíveis a contrair diferentes doenças graves e com risco de vida, como parvovírus ou cinomose. Estes são altamente contagiosos e sem patologias de tratamento específicas que podem causar a morte de ninhadas inteiras.
Felizmente, temos uma ferramenta para combatê-los: a vacinação. Ao estabelecer um cronograma de vacinação correto, protegemos nosso filhote contra essas doenças. Abaixo, explicamos quais vacinas são essenciais durante os primeiros meses de vida.

Doenças que impedem vacinas de filhotes

As vacinas são feitas com diferentes patógenos inativados, mortos ou modificados para que não possam desencadear doenças, mas estimulam o sistema imunológico. Vacinas para as seguintes doenças estão disponíveis para filhotes:

  • Parvovirose: é uma doença viral caracterizada pelo aparecimento de vômitos graves e diarréia com sangue. Essa condição causa desidratação grave que geralmente requer internação.
  • Distemper: é uma patologia viral que produz sintomas em vários sistemas, como os sistemas respiratório, nervoso e digestivo. Cães que curam de cinomose podem ter sequelas por toda a vida.
  • Leptospirose: é uma doença bacteriana que causa sintomas inespecíficos que danificam principalmente os rins e o fígado. É uma zoonose, ou seja, essa bactéria também pode afetar os seres humanos.
  • Hepatite infecciosa: é uma doença viral que, como o próprio nome sugere, afeta o fígado, mas também os rins e os vasos sanguíneos. É altamente contagioso e os cães que se recuperam permanecem infectados por meses.
  • Parainfluenza: é um vírus que geralmente está implicado na tosse do canil. É espalhada com muita facilidade pelo contato entre cães ou seus acessórios. Provoca os sintomas típicos desta doença, como tosse.
  • Coronavírus: não tem nada a ver com o novo coronavírus que afeta os seres humanos. É um vírus entérico, ou seja, desencadeia sintomas no nível gastrointestinal. Em geral, a imagem que se desenvolve é suave, mas pode ser preocupante em filhotes.
  • Raiva: é uma zoonose fatal que afeta o sistema nervoso, causando sintomas como agressividade, convulsões e, finalmente, morte. Não existe cura e, dada a possibilidade de contágio das pessoas, a vacinação contra a raiva é obrigatória em muitos territórios .
  • Tosse do canil: Além da vacina parainfluenza, outra está disponível contra a bactéria Bordetella bronchiseptica, que também está implicada na tosse do canil. A vacina pode ser intranasal ou injetável e é a solicitada para permanecer em casas de cães.
  • Leishmaniose: é uma doença parasitária transmitida por um mosquito. Os seres humanos também podem ser afetados, daí a necessidade de evitá-lo. Existem várias vacinas para administrar a partir dos seis meses de vida. Eles não previnem a doença, mas impedem a proliferação do parasita.

Quando um filhote deve ser vacinado?

Publicidade

O cronograma de vacinação deve ser estabelecido pelo veterinário. As condições e características do cão devem ser levadas em consideração. Os filhotes geralmente estão prontos para receber sua primeira vacinação às 6-8 semanas de idade. Colocar uma vacina mais cedo não seria eficaz porque interferiria com os anticorpos maternos.
Eles são os que o cão transmite para seus filhotes através do colostro e neutralizaria a ação da vacina. Em outras palavras, isso não seria eficaz em não desenvolver a resposta imune. Além disso, antes de administrar a vacina, o cão deve ser desparasitado internamente . O veterinário irá verificar se você está saudável.

Leia Também:

Somente então você poderá receber a vacina. Ter parasitas, ser tratado com certos medicamentos, como corticosteróides ou alguns antibióticos, sofrer altos níveis de estresse ou algumas doenças também afeta a resposta à vacina. As vacinas devem ser repetidas periodicamente ao longo da vida do cão.

Plano de vacinação para filhotes

Será sempre o veterinário quem nos dirá quando vacinar nosso filhote, este é um exemplo de um plano de vacinação padrão para filhotes.

  • Entre 6 e 8 semanas de idade : Primeira vacina contra o Parvovírus
  • Com 9 semanas de idade : a segunda vacina contra o Parvovírus e outra vacina contra Distemper, Leptospirose, Adenovírus tipo 2 e hepatite infecciosa
  • Com 12 semanas de idade: a terceira vacina contra o Parvovírus e a memória da vacina anterior são administradas.
  • A partir das 16 semanas de idade: a vacina contra a raiva e outras vacinas opcionais são administradas
Publicidade

Deve-se lembrar que, embora sejam suas primeiras vacinas, será necessário ir anualmente para guardar a proteção do uso das vacinas. Ou seja, ele precisará ser vacinado várias vezes a cada ano de sua vida para mantê-lo protegido.

Efeitos colaterais das vacinas

Em geral, as vacinas são muito seguras e geralmente não afetam o bem-estar do filhote. As reações que podem ocorrer, como com qualquer outro medicamento, são mínimas em comparação com os benefícios de sua administração. Esses efeitos adversos geralmente duram cerca de 24 horas e desaparecem espontaneamente. São as seguintes:

  • Inflamação no ponto de inoculação que pode durar até uma semana.
  • Febre.
  • Letargia.
  • Anorexia, isto é, perda de apetite.
  • Reações alérgicas que requerem assistência veterinária são raras.

As vacinas para filhotes são obrigatórias?

Não é obrigatório vacinar cães, com exceções. Por exemplo, a vacina contra a raiva é obrigatória por lei em muitos países, como o Brasil. Isso significa que não colocar ou não fazê-lo com a frequência indicada pelas autoridades constitui uma falha administrativa. Acarreta uma penalidade financeira.

Além disso, algumas vacinas, como a vacina contra a tosse do canil, podem ser essenciais se queremos deixar nosso cão em um canil. Muitos exigem essa vacinação, pois é uma doença altamente contagiosa nas comunidades. De qualquer forma, a gravidade das patologias que podem afetar os filhotes torna aconselhável a vacinação.

Os veterinários apontam algumas vacinas como essenciais e, portanto, altamente recomendadas para todos os cães, independentemente de suas características. São cinomose, parvovírus, parainfluenza, hepatite infecciosa e leptospirose . O restante é considerado opcional e é aconselhável administrá-los ou não, dependendo da situação do cão.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.