31.2 C
Brasil
sábado, junho 3, 2023

Os passos para transportar um pet até os Estados Unidos

De acordo com Daniel Toledo, advogado e especialista em Direito Internacional, o planejamento deve ocorrer de forma antecipada

Publicidade

Com diversas regras a serem seguidas, levar um animal de estimação para outro país pode ser uma tarefa desafiadora. Ainda assim, esses regulamentos são importantes para garantir a segurança e o bem-estar do animal, bem como evitar a propagação de doenças no país que será o destino da viagem.

É essencial entender as regulamentações e os requisitos específicos que devem ser atendidos em cada país garantindo, assim, uma transição suave e sem problemas para o viajante e seu animal de estimação.

Publicidade

Para Daniel Toledo, advogado que atua na área do Direito Internacional, fundador da Toledo e Associados e sócio do LeeToledo PLLC, o transporte de pets para os EUA é um processo que requer planejamento antecipado e atenção aos detalhes. “O primeiro passo é verificar os requisitos necessários, que incluem certificados de saúde, vacinas e, em alguns casos, quarentena. Durante a viagem, os animais devem ser mantidos em uma caixa de transporte segura e confortável, com água e comida suficientes para todo o trajeto. Ao chegar no destino, eles serão inspecionados pelas autoridades de imigração e podem ser submetidos a exames adicionais”, revela.

O especialista alerta, ainda, para algumas raças que são proibidas em determinadas localidades ou até mesmo em alguns estados. “Alguns cães muito grandes, como pitbulls, não são permitidos em diversos locais do país norte-americano, sejam hotéis, casas ou condomínios. Eu, por exemplo, recorri a uma fazenda para deixar meus cachorros de grande porte. Portanto, esse ponto deve ser observado por aqueles donos que querem trazer seus animais para os EUA, não correndo o risco de serem surpreendidos na  chegada”, pontua.

A microchipagem é o ponto inicial para o transporte de qualquer animal. “Esse é o primeiro passo para quem deseja embarcar para os Estados Unidos com seu cão, gato ou qualquer outro pet. E é importante ter em mente que não é qualquer microchip que será aceito em solo americano. Eles precisam estar enquadrados no ISO 11784 e ISO 11785, que são reconhecidos mundialmente. Em geral, o procedimento é efetuado por um veterinário, onde um pequeno chip identificador é inserido no dorso do animal, funcionando como um documento com todas as informações do pet e seu tutor”, relata Toledo.

De acordo com o advogado, contar com a ajuda de uma empresa especializada nesse tipo de transporte pode ser o melhor caminho a ser seguido. “Isso porque, normalmente, essas companhias têm experiência e sabem quais problemas podem surgir. Além disso, é preciso se programar porque desde o implante do chip até o laudo final pode demorar. O veterinário está atento às vacinas necessárias e outras obrigações que devem obedecidas  que ocorrem antes, durante e após o transporte dos animais”, finaliza.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.