32.9 C
Brasil
segunda-feira, agosto 15, 2022

Mês de luta contra a leucemia também cria alerta para os riscos da doença em pets

Você sabia que a leucemia também atinge animais?

Publicidade

A leucemia é um tipo de câncer delicado e agressivo que atinge a medula óssea. A manifestação da doença ocasiona a proliferação descontrolada das células e consequentemente debilitando todo o funcionamento do organismo. Mesmo sendo muito conhecida entre os humanos, a doença também é uma preocupação entre os veterinários, já que animais como cães e gatos também estão suscetíveis a desenvolver o problema na fase adulta e com um agravante, neles, não há cura.

Nos animais de estimação existem variações da manifestação da doença, algumas são mais agressivas, outras menos e com opções de tratamento, garantindo uma vida longa ao animal. Segundo a veterinária Dra. Tatiane Marisis, oncologista  do grupo de serviços veterinários Vet Popular, a detecção da doença nem sempre é fácil, porém, alguns sinais podem ser percebidos. “Embora outas patologias também manifestem sintomas como sangramentos nasais, urinários ou nas fezes, é importante ficar alerta, pois pode ser um sinal da presença da leucemia” – comenta.

Publicidade

Além disso, outros sintomas como hemorragias pelo corpo, anemia, crescimento do fígado e barriga d’água, também são indícios de um possível diagnóstico. Para detectar de fato, é necessário fazer um hemograma completo e um mielograma, que examina a medula óssea, comprovando a presença da doença, só assim é possível iniciar o tratamento adequado.

É importante ressaltar que, tanto em humanos quanto em animais, o tratamento pode variar, mas os quimioterápicos ainda são os mais usados. “Embora os tratamentos sejam importantes, são paliativos e garantem qualidade de vida ao animal, pois não há cura” – afirma Tatiane.

Segundo a veterinária, cães e gatos podem ter a doença, porém a leucemia acomete muito mais os felinos por conta das mutações genéticas causadas por outros vírus como o da FIV (Imunodeficiência felina ou Aids felina) e da FELV (leucemia felina), que geram a multiplicação anormal das células ocasionando o crescimento de tumores e a leucemia. A FIV é contraída pela troca de sangue e na contaminação na gestação e amamentação, a FELV possuiu transmissões semelhantes, porém também pode contaminar o animal a partir da troca de secreções. Ambas não são transmitidas de animais para humanos e possuem vacina.

Mesmo com todas as complicações da doença, é possível proporcionar uma vida saudável, para isso, é fundamental que o tutor faça um acompanhamento periódico, além de manter sempre em dia todos os exames. Não há uma prevenção eficaz, já que a doença é silenciosa, mas é possível detectar ainda na fase inicial, preservando o animal de possíveis sofrimentos, por isso, o acompanhamento médico de rotina é fundamental.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.