30.1 C
Brasil
sexta-feira, julho 1, 2022

Fratura em cães: Como reconhecer? Como tratar?

Publicidade

Fraturas são rupturas nos ossos que podem ocorrer após um forte golpe. Existem diferentes tipos de fraturas e as características e prognóstico do cão dependerão do exame e tratamento.

Se suspeitarmos que o cachorro sofreu uma fratura, devemos procurar o veterinário. O mesmo golpe que quebrou o osso causou outras lesões que o profissional terá que avaliar e tratar. Vamos ver quais são os sintomas que podem nos alertar sobre uma fratura.

O que são fraturas?

Publicidade

Uma fratura é um osso quebrado. Dada a sua dureza, uma força considerável deve ser aplicada para quebrá-los. Isso pode se originar de acidentes como colisões, quedas de grandes alturas ou, em geral, pancadas fortes. Infelizmente, fraturas também podem ser vistas em cães vítimas de abuso.

Os ossos mais propensos a fraturas são o fêmur, pelve, crânio, mandíbula e coluna vertebral . Se este for o caso do cão, você deve sempre ir ao veterinário. Todas as fraturas requerem tratamento, imobilização ou intervenção cirúrgica.

Além disso, pode haver outros danos internos que não somos capazes de detectar a olho nu, como sangramentos ou danos a órgãos. Daí a importância de uma revisão e acompanhamento veterinário. Para fins de identificação, é importante saber que existem esses tipos de fraturas:

Aberto ou composto: nessas fraturas, o osso é visível através da ferida que ocorre. Essa exposição do osso aumenta a probabilidade dessas fraturas de serem infectadas. Deve-se levar em conta que, em todas as lesões nas quais o osso é visto, há uma fratura.

Publicidade

Fechado: neste caso, não há danos à pele, mas pode haver alguns sinais que nos fazem suspeitar da presença de uma fratura óssea.

Sintomas de fraturas em cães

Quando um cão sofre um forte golpe, independentemente de sua origem, a existência de uma fratura é uma possibilidade que devemos sempre ter em mente. Nem em todos os casos aparecerá uma ferida que indica a presença de uma fratura exposta, mas podem aparecer sinais de ruptura, como os seguintes:

  • Dor intensa. O cão vai reclamar e não será manipulado. Pode morder.
  • Inchaço.
  • Se a fratura estiver localizada em uma perna, o cão não poderá apoiá-la. Ele não será capaz de carregar peso nele.
  • Deformidades.

Fraturas do crânio

Destacamos fraturas no crânio, dada a gravidade que elas podem ter. Então, existem tipos diferentes. Existem dois que podemos distinguir a olho nu: o aberto e o deprimido. O primeiro parecerá ferimentos na cabeça. Por outro lado, nos deprimidos, como o próprio nome indica, há uma depressão ou um afundamento na área afetada do crânio. O problema com essas fraturas é que não há apenas envolvimento ósseo.

O cérebro, ouvido, cavidade nasal ou mandíbula são estruturas que também podem ser danificadas. Além disso, essas lesões são vias de entrada de bactérias, o que pode complicar o quadro, causando infecções.

Como agir em fraturas de cães

Após um acidente, o cão deve ser cuidadosamente transferido ao veterinário para uma avaliação geral. Se ele estiver em choque ou suspeitarmos que a fratura possa causar algum dano à coluna vertebral, mova-a gentilmente sobre uma superfície plana ou, na sua falta, em um cobertor, levantando-a pelos cantos.

Além disso, dada a possibilidade de uma perna está quebrada, não tente movê-la. Pode ser necessário colocar uma focinheira nele, porque a dor e o estresse fazem com que alguns animais reajam mordendo.

Raios-X de fraturas

O exame veterinário pode determinar a existência de uma fratura, mas a confirmação é obtida através da realização de um raio-x. Este teste é simples, mas pode exigir sedação se o cão estiver muito dolorido e não puder ser posicionado.

A radiografia não apenas confirma o diagnóstico, mas também fornece informações sobre as características da fratura e os danos causados. Desta forma, o veterinário pode dar um prognóstico e decidir sobre o tratamento mais adequado.

Como tratar fraturas de cães

Como as fraturas se originam quando ocorre um forte golpe, é provável que o cão fique mais danificado ou em choque. Estabilizar o animal é sempre uma prioridade. As fraturas serão avaliadas. Normalmente, os ossos que foram deslocados ou quebrados devem ser reposicionados e fixados para que possam ser soldados na posição correta.

Dependendo das características da fratura e do cão, essa fixação será realizada imobilizando a área afetada com um curativo ou tala ou através de intervenção cirúrgica. Neste último caso, placas ou parafusos de metal podem ser usados. Quando é a mandíbula fraturada, é fixada com cerclagem.

Curar fraturas ósseas em cães

Em geral, nos casos em que o cão sofre apenas uma fratura e não é muito complicado, o prognóstico é bom. Embora deva-se ter em mente que a recuperação ou o pós-operatório podem ser longos e é essencial seguir as instruções do veterinário em relação à mobilidade, tratamentos, reabilitação e acompanhamento do cão.

No mínimo, várias semanas de recuperação devem ser calculadas. Por fim, destaque a importância do tratamento correto. Caso contrário, corremos o risco de a fratura se consolidar incorretamente.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.