30.1 C
Brasil
sexta-feira, julho 1, 2022

Filaria o que é isso? Como proteger o nosso animal de estimação?

Publicidade

Você já ouviu falar da chamada dirofilariose no cão? É assim que a filariose é conhecida. É chamado assim, já que o coração é o lugar onde o temido parasita que afeta nossos animais de estimação está alojado.

Esta doença é relativamente comum em nossos cães. É produzido por um parasita chamado Dirofilaria Imintis. Este parasita transita pelo sangue e aloja no coração. Seu vetor é um mosquito. Quando um mosquito infectado morde um cachorro, ele transmite larvas de filaria. Eles infectam o sangue do cão e circulam pela corrente sanguínea para o coração. É este órgão onde as formas do parasita adulto se desenvolvem e aparecem.

Publicidade

Em seguida, damos uma série de dicas para prevenir e combater esta doença.

Proteger nossos animais contra parasitas.

Como comentamos, esses parasitas são transmitidos pela picada de um mosquito. Portanto, para a prevenção da doença, é muito importante proteger nossos cães contra suas mordidas. Existem alguns antiparasitários muito eficazes no mercado como métodos preventivos. Eles geralmente são aplicados mensalmente e são de grande ajuda na prevenção de parasitas.
Existem também agentes antiparasitários externos que atuam como preventivos da filaria. Estes produtos são geralmente administrados a cada 3 meses. No caso da filaria, é sempre recomendável dar um mês antes e um mês depois de se expor às condições favoráveis aos mosquitos ou a locais de alta incidência da doença. Estes produtos não são recomendados para uso se o animal já sofre da doença.

Evite expor nosso cão às horas mais movimentadas de mosquitos

Mesmo se usarmos medicamentos antiparasitários, nunca é demais adotar medidas extras de segurança. Os mosquitos que transmitem esses parasitas têm ótimas condições de vida em climas úmidos e temperados. Eles geralmente estão em áreas inundadas, como lagos e áreas de floresta úmida. As horas do dia em que são mais ativas são o nascer e o pôr do sol.

No Brasil, é uma doença endêmica. Está localizado em certas áreas com condições climáticas favoráveis. Nas áreas mais quentes e úmidas e onde abundam rios, lagos e ambientes estagnados, há mais mosquitos transmitindo a filaria.

Detectar sintomas precocemente

Publicidade

Às vezes, quando as medidas de prevenção não são adequadas ou as condições são muito favoráveis para vetores de doenças, nossos cães podem adoecer.

A detecção precoce é um ponto importante nesta doença. Se tivermos a má sorte que nossos parceiros sofrem com isso, será muito mais provável que a superem se a detectarmos mais cedo.
Para isso, é importante conhecer os sintomas. Um problema na detecção precoce é que os sintomas iniciais não são muito específicos. Portanto, é um pouco complicado detectá-los.

No começo, a única coisa que podemos observar é fadiga e decadência. Em estados um pouco mais avançados, podem ser observados sintomas um pouco mais claros: desconforto respiratório e tosse. Se a doença persistir, pode haver perda de peso e até sangramentos nasais.

Se conseguirmos detectar a doença a tempo, o tratamento será muito mais fácil e menos arriscado para o cão. Nos primeiros estados, apenas as larvas devem ser tratadas com sangue. Ocasionalmente, se o coração estiver altamente parasitado, será necessária intervenção cirúrgica.

Análise de rotina

Como comentamos anteriormente, a detecção da doença na primeira fase não é simples com base apenas na sintomatologia do animal. Portanto, recomendamos visitas regulares ao veterinário. Com um simples exame de sangue, podemos detectar se o animal está livre da doença.
Se cuidarmos de nossos animais de estimação e estivermos atentos às suas necessidades, eles nos agradecerão!

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.