32.1 C
Brasil
sexta-feira, setembro 30, 2022

Doenças comuns em cães idosos

Publicidade

Todos nós adoraríamos que nosso cão permanecesse como um eterno cachorrinho, apesar do passar dos anos e, embora a vontade de brincar e pregar peças não diminua, como nós, os anos cobram seu preço.

Sabemos que os cães vivem menos anos do que as pessoas, portanto, seu processo de envelhecimento ao atingir o estágio superior também será mais rápido e pronunciado.

Devemos saber a que doenças os cães se tornam mais propensos com a idade para tentar prevenir ou retardar seu aparecimento e adaptar seus cuidados diários às novas necessidades que surgem nesta fase de maturidade.

Com que idade um cão é considerado idoso?

Publicidade

Em média, um cão pode ser considerado idoso ou velho quando atinge os 7 anos de idade, embora os cães grandes envelheçam mais rapidamente do que as raças pequenas. Portanto, um Dogue Alemão seria considerado um idoso aos seis anos, enquanto um Chihuahua não pode começar seu estágio superior até os nove.

No entanto, outros fatores, como genética e condições ambientais, podem afetar a rapidez com que um cão envelhece. Portanto, independentemente de seu tamanho ou idade, uma vez que nosso cão comece a mostrar sinais de problemas de saúde relacionados à idade, devemos considerá-lo um cão mais velho.

Quais são as doenças mais comuns em cães idosos?

Com o passar dos anos, ocorre um desgaste ou envelhecimento natural das diferentes estruturas ou sistemas do corpo e é muito comum que surjam no nosso cão doenças ou enfermidades relacionadas com a idade avançada.

Osteoartrite ou problemas de mobilidade

A cartilagem que protege as articulações “se desgasta” com o passar dos anos, e a perda dessa proteção faz com que os ossos comecem a se deteriorar em um processo conhecido como osteoartrite.

A Osteoartrite causa dores e rigidez nas articulações e isso faz com que nosso cão queira se mover menos e passar mais horas deitado.

Publicidade

Embora a osteoartrite não seja curada, existem várias medidas que podemos tomar para retardar a progressão desta doença e aliviar a dor:

  • Mantenha nosso cão com seu peso ideal.
  • Administre condroprotetores que nutrem e melhoram a elasticidade da cartilagem articular.
  • Mantenha uma rotina diária de atividade física moderada; Em cães idosos, a rotina de caminhada deve ser adaptada à sua condição física, sendo aconselhável aumentar o número de caminhadas e reduzir sua duração (caminhadas frequentes e curtas).
  • Administração de ácidos graxos ômega 3 com efeito antiinflamatório natural.

Demência ou disfunção cognitiva

Em cães idosos, pode ocorrer uma síndrome semelhante à demência senil em pessoas, caracterizada por sintomas como confusão e desorientação, alteração dos ciclos do sono, comportamentos compulsivos como andar incessantemente, urinar ou defecar em locais inadequados, etc.

Existem suplementos à base de vitaminas, antioxidantes e ácidos graxos ômega 3 específicos para cães idosos que podem contribuir na prevenção desta enfermidade. Depois de ocorrer, não tem cura, mas existem medicamentos para melhorar os sintomas associados.

Além disso, é extremamente importante adaptar o ambiente às novas necessidades dos cães com demência (libertar seu ambiente de obstáculos perigosos, facilitar o acesso à água, colocar tapetes antiderrapantes em áreas de tráfego intenso, tentar aumentar seu nível de atividade diurna para promover o descanso noturno, etc.)

Perda de visão e audição

Com o passar dos anos, o tecido do olho e do ouvido se degenera e pode causar vários graus de cegueira e surdez em cães idosos. Além disso, os cães mais velhos são propensos a desenvolver catarata, que pode levar à cegueira parcial ou total.

Existe a possibilidade de remoção cirúrgica da catarata, entretanto, esta intervenção é mais complicada em cães do que a realizada em pessoas, e geralmente não é o tratamento de escolha em animais idosos. Os cães dependem menos da visão do que do olfato para interagir com o ambiente, então eles tendem a se adaptar e têm poucos problemas para se mover após a perda de visão.

Caso detectemos perda de visão e / ou audição em nosso cão idoso, devemos adaptar seu ambiente às suas novas necessidades (não mude a posição dos móveis, libere o máximo de obstáculos em seu caminho, avise os cães surdos de nossas presença batendo no chão para fazê-los sentir a vibração, etc.)

Problemas cardíacos

Uma doença muito comum em cães mais velhos é a insuficiência cardíaca; o coração fica mais fraco e não consegue bombear sangue com eficiência para o resto do corpo. Os sinais de possível doença cardíaca são tosse, falta de ar, intolerância a exercícios e até desmaios. Na presença de qualquer um desses sintomas, devemos ir ao veterinário para que nosso cão seja examinado imediatamente.

De forma preventiva, e para evitar a hipertensão, devemos mudar a dieta do nosso cão quando ele atingir a terceira idade para uma dieta específica para cães mais velhos, pois será pobre em sódio.

Incontinência urinária

Os músculos da bexiga dos cães enfraquecem com o passar dos anos, por isso é comum que os cães mais velhos tenham necessidade de urinar com mais frequência ou de perder urina involuntariamente.

Porém, caso nosso cão apresente incontinência devemos consultar o seu veterinário, pois também pode ser um indicativo de problemas graves como infecções do trato urinário.

Insuficiência renal

Os rins são os órgãos encarregados de eliminar os resíduos e manter o equilíbrio do corpo. À medida que os rins envelhecem, sua função se torna menos eficiente e resíduos e toxinas podem se acumular no corpo do cão.

Esse “envenenamento” do sistema é conhecido como insuficiência renal. Os sintomas associados a essa doença são apatia, perda de apetite, perda de peso, vômitos e até mesmo o odor de amônia no hálito.

A nutrição é muito importante para cuidar da saúde dos rins; Portanto, é importante alimentar cães idosos com dietas específicas para cães mais velhos. Além disso, é aconselhável fazer exames de sangue de rotina em cães geriátricos, pois a insuficiência renal crônica pode ser controlada com tratamento adequado e sua detecção em estágios iniciais melhora a expectativa de vida e a qualidade de vida dos cães com esta doença.

Câncer

O aparecimento de tumores, tanto benignos quanto malignos (câncer), torna-se mais frequente com o envelhecimento dos cães. O sucesso do tratamento da maioria dos tumores é baseado em sua detecção precoce; Por este motivo, é muito importante que antes de qualquer alteração observada na saúde ou no comportamento do nosso cão consulte o seu veterinário.

Palpar e inspecionar frequentemente o corpo do nosso cão para detectar possíveis caroços ou lesões que não cicatrizam, controlar o seu peso e nível de apetite, observar como estão as suas fezes e urina para poder detectar possíveis alterações como a presença de sangue ou muco, são alguns exemplos a seguir a fim de detectar mudanças na saúde de nosso cão a tempo que possam estar relacionadas a patologias como o câncer.

O processo de envelhecimento em cães é algo natural e inevitável, mas se tomarmos uma série de medidas e os levarmos a exames veterinários regulares a cada 6 meses, podemos prevenir ou retardar o aparecimento de muitas dessas enfermidades e melhorar a qualidade de vida de nossos filhote de cachorro mais velho, porque, não importa quantos anos ele tenha, para nós nosso cachorro sempre será nosso filhote.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.