27.9 C
Brasil
terça-feira, setembro 28, 2021

Dieta leve para cães

Publicidade

A dieta leve é ​​projetada para atender às necessidades nutricionais de cães que sofrem algum tipo de patologia ou trauma que afeta seu sistema digestivo, cães que estão doentes.

É especialmente útil em casos de diarreia, pois compensa a perda de líquidos e o cão acha muito mais palatável e de fácil digestão. Vamos ver em detalhes como preparar corretamente uma dieta leve, as quantidades que devemos usar e os benefícios que ela trará para o nosso cão.

Características de uma dieta leve

Publicidade

Este nome é bastante descritivo das expectativas dos proprietários. Fisicamente, esperamos que seja macio, pois o associamos a uma maior maciez digestiva. Essa associação é mais ou menos bem-sucedida, mas vamos nos aprofundar um pouco mais no que uma dieta leve deve ser:

Formulado com ingredientes altamente digeríveis: Isto indica a sua origem e também o seu grau de cozimento. Entraremos em detalhes mais tarde.

Alta umidade: às vezes, a diarreia pode levar à desidratação (especialmente se for prolongada).

Volume de ingestão o menor possível: Pode ser contraditório com o anterior, visto que se trata de uma grande parte de água, o volume aumenta. Como conseguimos reduzir isso? Muito simples, aumentando o número de disparos.

Alta palatabilidade: Ou seja, que o animal que vai comê-lo goste. Em certas diarreias (geralmente do intestino delgado) geralmente há anorexia associada, portanto a comida deve convidar a ser ingerida.

Transitório: em geral, deve ser uma solução temporária para uma situação patológica.

Aqueles que são feitos em casa em geral serão desequilibrados em alguns macro ou micronutrientes. Existem certos casos (que veremos em detalhes mais tarde) em que pode ser considerado definitivo.

Em que casos devemos substituir a ração por uma dieta leve?

Em todas as situações em que o sistema digestivo do nosso cão é afetado, devemos fornecer uma dieta leve.

As indicações mais comuns são durante a diarreia, pancreatite, envenenamento, etc. E depois de qualquer tipo de operação cirúrgica.

Cães muito velhos e / ou que perderam muitos dentes também podem exigir a administração permanente de uma dieta pastosa. É uma opção interessante para cães com anorexia de outro tipo (como comportamental ou pós-traumática) por apresentarem maior palatabilidade.

Alimentos usados ​​em uma dieta leve

A dieta leve consiste em uma combinação de alimentos destinados a facilitar a mastigação, a digestão e a absorção de água. Além disso, fornece todos os macronutrientes necessários à preservação da saúde do animal e água para facilitar a hidratação.

Os tipos de alimentos que compõem a dieta leve nem sempre são os mesmos. Temos que planejar a dieta com base nas circunstâncias do cão e em suas necessidades nutricionais.

Geralmente e exceto no caso de intolerâncias ou alergias, pode ser bastante variado; desde que seja composto por alimentos naturais, de fácil digestão e com o maior valor nutricional possível.

Proteína

Eles continuarão sendo o principal componente da dieta, mas garantindo que sejam provenientes de carnes magras ou de animais com a menor quantidade de gordura possível; como frango ou peru. As carnes mais comuns ordenadas da maior para a menor gordura são :

Cordeiro: 32,6%

Vitela: 16,7%

Porco: 16,6%

Frango: 9,25%

O mais digerível é a carne bovina seguida da galinha. Por sua baixa quantidade de gordura, o frango é a proteína de escolha.

Não devem ser cozidos demais e devem ser sempre cozidos ou cozidos no vapor, nunca usando nenhum tipo de aditivo ou tempero como sal, óleos ou especiarias. Além disso, eles devem estar livres de ossos.

Desde que nosso cão não seja alérgico a nenhum desses ingredientes, algumas coxas de frango cozidas e desossadas e sem pele podem ser uma ótima opção, além de econômicas.

Hidratos de carbono

As fontes de carboidratos são relativamente variadas. A sua presença em dietas pastosas (e em rações para cães) é absolutamente recomendada visto que constituem uma boa fonte de energia que, se bem cozinhada, é muito digestível e barata.

Estes na dieta mole devem ser o mais digeríveis possível, portanto, o mais difundido é sem dúvida o arroz branco, já que é um cereal muito digerível, sem glúten e muito acessível. Isso pode ser usado sozinho ou combinado com outros produtos, como cenouras ou batatas cozidas. Outro ingrediente que está se mostrando muito eficaz no controle da diarreia é a abóbora. Os produtos que devemos evitar a todo custo são os grãos inteiros, pois com casca eles têm mais fibra e isso é contraproducente em muitos casos.

Frutas e verduras

Frutas e vegetais não são altamente recomendados em casos de gastroenterite (diarréia), pois fornecem muitas fibras. Mas em outras patologias eles são muito benéficos devido à quantidade de vitaminas que fornecem.

Frutas descascadas podem ser interessantes, mas essencialmente fornecem carboidratos, comparados aos quais qualquer uma das fontes já mencionadas é uma opção melhor.

Os frutos devem ser sempre crus e, se possível, amassados. Sempre, sem osso e sem sementes. Já os vegetais, devido ao alto teor de fibras, não são uma opção adequada para uma dieta leve voltada para o tratamento de episódios diarreicos, sendo preferível recorrer a outras fontes de hidrato.

Quando começar a dieta leve?

Se o nosso veterinário tiver prescrito, será ele quem nos dirá quando devemos começar a administrá-lo. Possivelmente, passara uma receita também. Se nós mesmos decidirmos alimentar nosso cão dessa maneira, isso dependerá do tipo de problema digestivo que ele tem.

Dependendo dos sintomas manifestados, as opções são:

Vômito: Caso você vomite tudo o que ingere, a dieta pastosa será oferecida em volume reduzido para não sobrecarregar o estômago. Se ele ainda vomitar, pode ser que o vômito seja causado por outra causa extradigestiva ou digestiva que não responde à dieta (por exemplo, ingestão de um corpo estranho). Nesse caso, será necessário ir ao veterinário.

Diarréia: administre dieta leve por vários dias e avalie a resposta. Se a doença não remeter, vá ao veterinário.

É importante ter em mente que nem todos os problemas deste tipo respondem a uma dieta leve, mas como se trata de uma solução simples e em alguns casos eficaz, vale a pena tentar.

Para cães que passaram por situações de estresse, mas não têm doenças digestivas, podemos começar desde o primeiro dia com uma dieta leve e completa.

É preferível que, no início da dieta mole, as porções sejam pequenas e esperemos para ver como ficam. Podemos aumentar um pouco o número de porções, para compensar a quantidade.

Suplementos na dieta leve

Outra das finalidades que a dieta pastosa para cães doentes deve cumprir é restaurar a recuperação da microbiota intestinal, já que muitas vezes são os desequilíbrios que causam a doença.

Esse equilíbrio pode ser restaurado por meio da administração de probióticos (bactérias vivas) ou prebióticos (substâncias que favorecem o crescimento da microbiota intestinal fisiológica).

A maneira mais fácil de acessar os probióticos é comprá-los diretamente em clínicas ou alimentá-los com queijos não esterilizados ou iogurtes.
No entanto, devido às quantidades variáveis ​​de lactose que possuem, podem ser contraproducentes, por isso não os recomendamos neste caso. Por outro lado, os prebióticos geralmente vêm complementando as dietas comerciais. Os mais conhecidos vêm com as abreviaturas de MOS (mananoligossacarídeos) ou FOS (frutas-oligossacarídeos).

Quanto tempo deve durar a dieta leve?

Não existe uma duração específica, pois depende muito das circunstâncias que tornaram necessária a sua administração. Independentemente da resposta que tenha, seja qual for o tratamento, a dieta pastosa estará sempre presente. Portanto, seja um tratamento único ou não, deve ser mantido até alguns dias após a remissão dos sintomas.

A reintrodução da dieta original deve ser gradual, pois se for feita de forma abrupta pode causar uma recaída.

Quanta quantidade devo dar?

Se nosso cão está comendo uma dieta pastosa devido a problemas gastrointestinais, devemos começar com uma pequena quantidade e aumentá-la a cada alimentação. Observando que é bom.

Por serem animais que geralmente apresentam diminuição do apetite, em geral não comem muito. Caso comam duas vezes ao dia, o ideal será ir para 3 ou 4 com menos quantidade.

Lembre-se de que essas informações são apenas para orientação e nunca devem ser tomadas como receita veterinária. Se o seu cão está doente, deve ser diagnosticado por um veterinário.

Outras considerações

Por serem animais que normalmente não têm apetite, existem dois erros que não devem ser cometidos:

  • Alimentação forçada: Isso é absolutamente contraproducente por 2 motivos:
  • Isso vai gerar uma aversão à comida.
  • O animal não vai querer engolir e muito possivelmente vai acabar na traqueia e gerar pneumonia por aspiração (que pode ser fatal).
  • Deixe a dieta mole na tigela: Isso só favorece o apodrecimento e o crescimento de bactérias que irão agravar a doença caso você decida ingerir esse alimento. A limpeza do recipiente para alimentos deve ser muito exigente. Caso não queira comer, em cerca de 30-45 minutos devemos retirar o alimento mesmo que parcialmente comido.

Todas essas dicas não substituem uma visita ao veterinário ou um tratamento infalível. Se você tem um animal doente, é melhor ir ao veterinário.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui