30.1 C
Brasil
sexta-feira, dezembro 2, 2022

Crianças e pets: tire suas dúvidas e aposte nessa relação de amizade que só traz benefícios

Médica veterinária da Fórmula Animal preparou um guia com as 10 principais questões sobre o tema

Publicidade

É cada vez mais comum ver perfis nas redes sociais repletos de fotos que registram momentos de interação entre pets e crianças. E, por trás da ternura e humor que essas imagens retratam, está uma relação repleta de pontos positivos para os pequenos. De acordo com Gisele Starosky, médica veterinária da Fórmula Animal ― rede de franquias de farmácia de manipulação veterinária, que produz medicamentos e produtos voltados à saúde animal de forma personalizada ― cuidar de um animal auxilia em um estilo de vida mais ativo, já que incentiva a criança a realizar brincadeiras com o animal, o que resulta em uma melhor interação social, além de estimular exercícios físicos.

“O convívio com animais de estimação também ajuda a criança a desenvolver responsabilidades, pois o cuidado com o pet é um compromisso diário. Outros pontos benéficos dessa relação é que ter um animalzinho em casa é associado a uma menor probabilidade de ansiedade na infância e um sistema imunológico mais forte”, explica Gisele.

Mas, mesmo diante dos benefícios, ainda há famílias com crianças que acabam hesitando em ter um bichinho, enquanto outras, que já possuem pets, ficam com receio que o animal se sinta deixado de lado com a chegada de um bebê. Assim, com o intuito de ressaltar que com alguns cuidados simples, é possível não só manter uma convivência harmônica entre crianças e pets, como fazer que essa relação se torne uma memória afetiva na vida adulta, a médica veterinária da Fórmula Animal listou as dez principais dúvidas sobre o tema. Confira!

Publicidade

1. Existe algum cuidado especial com a saúde do pet para que ele possa conviver com bebês e crianças?

É importante manter as visitas periódicas ao veterinário para que seja realizado o controle preventivo de doenças, através de vacinas e vermífugos, por exemplo. Além disso, é preciso ficar atento à higiene do animal, mantendo uma frequência adequada de banhos e mantendo as unhas cortadas, para evitar acidentes.

2. Com a chegada de um bebê, o bichinho precisa ser colocado em algum cômodo específico da casa ou levado para a casa de algum parente?

O contato entre animais e crianças é muito importante para o desenvolvimento e, até mesmo, para a saúde dos pequenos. Porém, as crianças, principalmente nos primeiros meses de vida, demandam muito cuidado e, consequentemente, maior atenção dos pais. Assim, para que a convivência entre crianças e pets se torne confortável para todos, é fundamental garantir que o bichinho se torne mais independente e confiante. Uma forma de contribuir para isso é investir em adestramento e enriquecimento ambiental, para que o animal se distraia quando o tutor não puder dar total atenção.

3. Como apresentar o bebê ao pet?

Publicidade

Nos casos em que o pet chega depois do bebê, é importante, primeiramente, socializar o animal, para que ele se acostume com o ambiente e para que o tutor observe o seu comportamento e, somente após isso, apresentar a criança a ele. Quando é o bebê que chega depois, é importante permitir que o pet se aproxime primeiro da criança, sinta seu cheiro e se familiarize. Lembrando que essa interação depende do temperamento do animal, em animais ansiosos ou hiperativos, vale a pena realizar adestramento antes dessa apresentação inicial.

4. Famílias com crianças que tomam a decisão de adotar/comprar um pet, devem atentar-se a quais pontos antes de tomar a decisão?

É importante que os pais se atentem que os animais também exigem muitos cuidados como consultas periódicas no veterinário, vacinação, cuidados com higiene e interação social, entre outros. Todas essas questões devem ser levantadas antes de trazer um pet para a família.

5. Existe alguma forma de escolher o “pet ideal” para a família?

Antes da chegada de um animal na família, é extremamente importante avaliar o espaço físico que ele terá, assim os tutores conseguirão avaliar se o porte do animal que está chegando será compatível com o espaço fornecido. Além disso, é necessário avaliar como o animal adotado se comporta com crianças, com outros animais, com carinhos e a interação com outras pessoas.

6. Crianças que convivem com animais precisam de cuidados extra em relação à higiene?

Os cuidados são os mesmos de higiene diária geral. É importante incentivar a criança a lavar as mãos após brincadeiras com os pets, principalmente antes das refeições, e evitar que os animais deem “lambeijos” muito próximos à boca. Lembrando que é importante, da mesma forma, manter a higiene do animal em dia, com banhos regulares e escovação dos pelos, bem como a administração de vermífugos, vacinas e outros tratamentos preventivos.

7. Os gatos podem fazer com que bebês e crianças desenvolvam asma?

Gatos normalmente perdem muitos pelos ao longo do dia e é possível que a pessoa tenha crises alérgicas ao inalá-los ― assim como qualquer outro tipo de sujidade ou poeira. Dessa forma, os gatos não podem ser os culpados pelo desenvolvimento das crises asmáticas. É necessário que o local seja limpo e aspirado frequentemente, além de manter a escovação dos bichinhos em dia, a fim de reduzir os pelos que caem no ambiente. É importante frisar que alguns estudos já demonstraram que o convívio com animais de estimação pode reduzir as chances de desenvolvimento da doença.

8. O que fazer caso a criança apresente alergia ao pet? Há formas de amenizar o problema?

De forma geral, é importante somente manter o ambiente sempre limpo e arejado para evitar a inalação dos pelos e, consequentemente, reduzir as crises alérgicas. Além disso, é preciso escovar a pelagem do animal sempre que possível.

9. Cães grandes e de raças classificadas como “bravas”, a exemplo do Pitbull e do Rottweiler, podem conviver com crianças?

Animais de porte grande, apesar de terem fama de agressivos, são animais muito carinhosos e sociáveis. É importante frisar que o comportamento do animal é muito relacionado com a forma em que é criado, ou seja, se o animal crescer em um ambiente amável e carinhoso, muito provavelmente se tornará um animal dócil. Porém, é importante também lembrar que às vezes animais maiores e mais fortes podem perder a noção da própria força e acabar machucando sem querer. Portanto, brincadeiras com crianças muito pequenas devem ser sempre acompanhadas de um adulto.

10. O que os pais podem fazer para evitar que as crianças acabem machucando os bichinhos na hora da brincadeira?

É importante sempre conversar com as crianças e explicar que os animais não são brinquedos e que devem ser sempre respeitados. Além disso, a criança deve saber dosar a força ao fazer carinho, por exemplo, sempre entendendo os cuidados que deve ter com o animal. Uma dica é incentivar a criança a interagir com o bichinho dando comida, água e banho, para que ela entenda a importância do cuidado com o pet.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.