30.1 C
Brasil
sexta-feira, dezembro 2, 2022

Convulsões em cães: Causas, Fases e Recomendações

Publicidade

Ao longo da vida de nosso animal de estimação, é normal que certas doenças apareçam em seu corpo. No entanto, existem patologias que não esperamos, porque são raras. Convulsões em cães podem se encaixar perfeitamente nesse grupo.

Mas o que é considerado uma convulsão canina? Esse tipo de patologia aparece quando o cérebro do animal se desequilibra, causando uma falha nos sinais de excitação e inibição de seus neurônios . Essa situação faz com que o cérebro envie choques elétricos que resultam em ataques do cão.

Quais são os sintomas nos quais essa patologia se manifesta? Convulsões em cães são evidentes quando ele tem tremores, tremores fortes e baba severa. Dependendo da raça, idade, ataques subsequentes, condição física e histórico de lesões em cães, nosso animal de estimação terá mais chances de sofrer algum tipo de convulsão. Saiba mais sobre convulsões em cães neste artigo!

Causa de Convulsões

Publicidade

Convulsões não são sintomas relacionados a uma única doença ou causa. Uma das complicações que esse tipo de disfunção neuronal traz é o grande número de patologias às quais ela pode estar relacionada. As condições que podem ser associadas a esse sintoma são as seguintes:

Epilepsia

Desde o primeiro momento em que aparecem, as convulsões são comumente relacionadas à epilepsia. Embora seja geralmente uma das patologias mais conhecidas e difundidas, não é necessário fazer diagnósticos precipitados sem uma avaliação veterinária.

As primeiras crises epilépticas ocorrem em cães de seis meses a cinco anos de idade. Estamos falando de uma doença hereditária que causa perda de consciência, prostração, pedalada, salivação, defecação, micção e as convulsões acima mencionadas .

Encefálite ou Meningite

Inflamação do cérebro ou meninge pode ser duas causas que envolvem a convulsão do seu cão. Eles geralmente são causados por uma infecção viral, como cinomose canina, erliquiose ou toxoplasmose .

Doenças Metabólicas

Essas patologias são variadas e causam perdas bastante significativas no metabolismo canino: hepatite, hiperlipoproteinemia, hipertermia, hipocalcemia, etc.

Acidentes Cardiovasculares

Publicidade

Com esse tipo de anormalidade, a quantidade de sangue que chega ao cérebro não é ideal, resultando em insuficiência cardiovascular em cães. Alguns exemplos desse tipo de acidente são derrames e hemorragias cerebrais.

Malformações Congênita

Um dos mais comuns é a hidrocefalia, um distúrbio que envolve um aumento anormal da quantidade de líquido cefalorraquidiano nas cavidades do cérebro. Este líquido é responsável por eliminar os resíduos produzidos pelo funcionamento contínuo do sistema nervoso. É uma patologia comum nas seguintes raças : yorkshire terrier, chihuahua, pomerânia, poodle toy, boston terrier e maltês.

Tumor Cerebral

Na pior das hipóteses, para nosso fiel companheiro, um tumor pode estar por trás dessas convulsões em cães. A aparência do tumor pode danificar a massa cerebral e causar esse tipo de comportamento anormal .

Intoxicação por uso substâncias

Os componentes químicos deste tipo de substâncias danificam o cérebro do nosso animal de estimação. Anticongelantes para automóveis, pesticidas tóxicos, vermífugos externos, chumbo, cianeto ou metaldeído, entre outros, levam as substâncias nocivas para o animal de estimação.

Lesões na cabeça

Um golpe mais forte que o normal pode levar a convulsões que nosso cão nunca experimentou antes . Antes de qualquer uma dessas causas, o mais recomendável é, sem dúvida, ir ao veterinário e nos dar um diagnóstico claro.

Fases de convulsões em cães

Em geral, as convulsões podem contemplar vários estágios que nos permitem detectar antecipadamente o que acontece ao nosso cão e, dessa forma, ter mais chances de garantir sua saúde. Leia atentamente as três fases que lhe mostramos!

– FASE PRÉ-AVC

Sua duração varia de alguns minutos a vários dias. O cão começa a se comportar de maneira estranha e fica nervoso sem motivo aparente. Alguns dos sintomas desta fase são tremores, confusão, falta de coordenação e salivação excessiva.

– FASE DO CURSO

É um período que pode durar vários segundos ou minutos. Representa o início do ataque. O cão geralmente perde a consciência e cai de lado no chão. Então ele começa a pedalar inconscientemente. Além disso, é provável que o cão vomite, urine e defeca.

– FASE PÓS-AVC

É um estágio que nos permitirá medir a intensidade da convulsão sofrida pelo nosso cão. É provável que , se tiver sido suficientemente forte, o cão manifeste certas sequelas que durarão vários dias: confusão, cegueira, tremores, etc.

Como lidar com um ataque compulsivo?

É lógico e normal que, em uma situação dessas características, o nervosismo nos domine. Como é algo que não esperamos, é improvável que ajamos adequadamente. Portanto, mostramos tudo o que você deve fazer e tudo o que deve evitar quando seu cão tiver uma convulsão.

O que devo fazer se meu cachorro sofrer um ataque de convulsão?

Ficar calmo é a primeira coisa que você deve fazer . Em circunstâncias tão extremas, pensaremos muito melhor se mantivermos a mente calma e nervosa. Quando estivermos calmos, teremos que remover qualquer objeto que esteja próximo ao nosso cão para que não seja ferido.

Uma vez que o ataque tenha passado, é importante que movamos nosso animal de estimação para um local fresco e ventilado, caso contrário, sua recuperação poderá piorar. Imediatamente depois, o que você deve fazer é aproximar seu fiel companheiro do veterinário mais próximo. Com um diagnóstico profissional precioso, você poderá descobrir o que causou a convulsão do cão.

Nos dias, semanas e meses seguintes, você deve administrar ao seu cão a medicação pertinente que o veterinário prescreveu para você . É importante ser consistente a esse respeito. Se os ataques ainda continuarem, você precisará levar de volta ao veterinário.

O que você não deve fazer?

Em pleno ataque, um comportamento comum por parte dos proprietários é tentar agarrar o cachorro para que ele não oscile. Esse é um erro claro, já que – além da convulsão não parar, o cão não está consciente naquele momento e pode machucar a pessoa (com uma mordida ou um arranhão). Tampouco deve ser dada água ou comida ao cão em plena convulsão.

De maneira alguma é conveniente colocar objetos que forneçam calor ao cão. Portanto, evite envolvê-lo com cobertores, lençóis, roupas, etc. Finalmente, os medicamentos que não foram prescritos pelo veterinário também não devem ser administrados ao cão. Não faça o diagnóstico por conta própria!

Convulsões em cães, na maioria dos casos, não podem ser evitadas. Portanto, recomendamos que você tenha um veterinário de confiança para poder cuidar do seu cão da melhor maneira possível.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.