29.2 C
Brasil
sexta-feira, janeiro 21, 2022

Animais de companhia precisarão de readaptação pós-pandemia

A mudança de rotina imposta pela pandemia da Covid-19 afetou de forma significativa o comportamento dos animais de companhia, em especial cães e gatos. O cenário impôs desafios para as clínicas veterinárias comportamentais, tema abordado pela veterinária Juliana Gil, sócia da Psicovet, durante o PET Comportamento, espaço voltado para uma série de palestras sobre o assunto, realizado dentro do Congresso Técnico da PET VET 2021.

A especialista apresentou estudos internacionais como o que apontou que na Europa 65% dos entrevistados alegaram diminuição do estresse durante o lockdown graças à companhia dos bichos de estimação. Contudo, com o fim do isolamento, 24% dos pets apresentaram mudanças negativas de comportamento, como latidos excessivos, medo de ruídos e dificuldades de ficarem sozinhos.

Publicidade

Segundo ela, essas respostas apareceram pois os animais de companhia são criaturas que se habituam a rotinas e respondem de formas diferentes quando há alterações. Cães que ficaram isolados com as famílias por muito tempo, agora sofrem por serem deixados de 8 a 10 horas sozinhos enquanto os tutores estão no trabalho presencial. “O ideal é que um animal de companhia não fique mais de 4 horas sozinho. Mais do que isso pode fazer com que ele manifeste insegurança devido à perda de previsibilidade”, explicou.

Vários países foram mais sensíveis a este cenário do que o Brasil. Na Inglaterra, por exemplo, entidades divulgaram material de apoio aos tutores antes mesmo do final do confinamento. O conteúdo ensinava como deixar pets sozinhos de forma que as chances de traumas fossem minimizadas.

A programação do “PET Comportamento” foi feita em parceria com a PET GAMES. Segundo Dalton Ishikawa, fundador da empresa, os desafios do momento são gigantes, mas as oportunidades também. “O mercado está muito aquecido devido aos problemas com vínculos entre as famílias e os pets. Precisamos estudar, nos qualificar e compartilhar conhecimentos”, defendeu.

Leia também: Cachorro ranzinza e rabugento? Veja dicas para conseguir domar o humor do seu pet

O painel foi acompanhado pela médica veterinária carioca Rica Ericson, que elogiou a abordagem pautada na ciência. “Tenho atendido muitas pessoas que adotaram animais durante a pandemia e que não tinham noção de como seria essa relação. Precisamos desenvolver esse mercado com informações fundamentadas como as oferecidas hoje”, destacou em relação à atração realizada dentro da PET VET.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.