27.9 C
Brasil
terça-feira, setembro 28, 2021

Abandono de cães – causas e como evitá-lo

Publicidade

Infelizmente, todos os anos somos atingidos novamente pelo número de abandono de cães, mas também de outros animais de companhia, como gatos, coelhos ou mesmo pequenos roedores.

Pessoas irresponsáveis ​​que jogam seus animais para fora de casa usam muitas desculpas para se justificar. Nós os revisamos e apontamos como eles podem ser evitados. A chave está na educação e na difusão das normas para um mandato responsável.

Estou me mudando e não posso levar meu cachorro

Publicidade

A mudança de endereço é um dos motivos que costumam estar na origem do abandono. No abandono nos referimos tanto à sua versão mais crua, ou seja, deixar o cão diretamente na rua, quanto transferi-lo para um canil ou abrigo. Em geral, qualquer mudança na família pode servir de desculpa.

Por exemplo, uma gravidez, o nascimento de um bebê ou uma alergia. Mas também a doença ou morte do cuidador principal do animal pode fazer com que a família se desfaça do cão.

Eu não amo mais meu cachorro

Infelizmente, algumas pessoas não pensam ou não sabem o que significa viver com um cachorro. Os cachorros são adoráveis, mas fazem as suas necessidades em casa, destroem tudo e não conhecem as ordens básicas nem as regras de convivência. Tempo e esforço devem ser investidos em sua educação e nem todos os chamados cuidadores estão dispostos.

Por outro lado, os cães crescem e você tem que levá-los para passear, alimentá-los, cuidar deles, levá-los ao veterinário, etc. E isso durante todos os dias de sua vida, independentemente da carga de trabalho que tenhamos, do clima, se estivermos em melhor ou pior estado de saúde. Simplesmente, algumas pessoas não presumem isso e o resultado é desastroso para o cão.

Eu não posso mais ficar com meu cachorro

Outras vezes, o motivo para se livrar de um cachorro é a escassez financeira. Por exemplo, se você perder o emprego ou piorar as condições a ponto de não poder arcar com as despesas de alimentação e cuidado de um animal.

Embora também possa ser devido a uma mudança nos interesses pessoais que torna preferível dedicar-se a outras atividades em vez de continuar cuidando de um cachorro.

Principalmente se causar gastos veterinários frequentes ou precisar de um tratamento considerado caro.

Meu cachorro se comporta muito mal

Os chamados problemas de conduta ou de comportamento são outra das causas muito frequentes que se pretendem justificar o abandono. Esse nome se refere a todos os transtornos que dificultam a convivência. Por exemplo, que o cachorro late demais, urina em casa, não obedece, etc.

Esses tipos de problemas são devido ao manuseio inadequado por parte dos cuidadores. Um cão que não foi devidamente socializado, não é bem educado ou estimulado ou não tem suas necessidades básicas atendidas, ficará estressado e se manifestará com comportamentos que serão muito desagradáveis ​​para nós.

O problema cresce com ninhadas indesejadas

Mas, sem dúvida, a principal causa do abandono são as ninhadas que nascem todos os anos sem qualquer controle. As cadelas tendem a ter alguns cio por ano e podem dar à luz desde alguns filhotes até oito, dez ou mais. E isso durante praticamente todos os anos de sua vida, desde o primeiro cio, que costuma ocorrer antes de um ano de idade.

Não há tantas famílias responsáveis ​​por cuidar de todos esses filhotes a cada ano. O resultado é o abandono. Infelizmente, muitas pessoas permitem que seus cães sejam criados com a ilusão de presenciar a maternidade, sem pensar nas consequências. Em outros casos, é devido a um acidente. Em ambos os casos, o problema é o mesmo.

Elementos-chave para evitar o abandono

Não há desculpa válida para se livrar de um cachorro. Nenhum. A menos que você morra e não dependa de você. O resto jamais consideraria se em vez de um cachorro fosse um filho, um irmão ou uma mãe. E essa é a ideia chave: entender que o cão que escolhemos é um membro da família desde o primeiro dia até a sua morte.

Se não assumirmos o esforço e as resignações que cuidam dele como ele merece ao longo de sua vida, não podemos adotar um cão. Não é obrigatório ter um. Mas, se decidirmos fazê-lo, nunca devemos esquecer que é um ser vivo com suas necessidades. A partir daí você tem que levar em consideração, para evitar desistências:

  • Descubra antes de adotar. Leia sobre psicologia canina e aprenda como socializar, educar, estimular e exercitar seu cão antes de voltar para casa. Além disso, não devemos perder de vista que um cão viverá em média 14 anos e com a idade precisará de mais cuidados.
  • Todos os que moram na casa terão que concordar com a adoção, mesmo que haja apenas um cuidador principal. Adote e confie nos conselhos dados a você na associação protetora. Por exemplo, não insista em querer um cachorro hiperativo quando sua vida é completamente sedentária.
  • Esterilizar sempre, você evitará ninhadas indesejadas mesmo que seja por descuido e, além disso, evitará graves problemas de saúde como piometra ou tumores de mama.
    Se morar junto representa um problema, consulte um profissional comportamental ou etologista imediatamente. Isso pode ser consertado.
  • No caso em que depois de tentar absolutamente o cão ficou infeliz ou sofreu uma doença grave que o impediu de cuidar dele, a opção nunca é o canil ou o protetor, mas sim encontrar um lar para ele, a começar pelos parentes e conhecidos.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui