21 C
Brasil
terça-feira, dezembro 6, 2022

A causa da alergia do seu Pet pode estar dentro de casa: são os ácaros da poeira

Publicidade

Ao trazer cães e gatos para dentro de casa estamos expondo-os aos principais responsáveis pela maioria das alergias nestas espécies: os ácaros da poeira.

Cães e gatos, hoje, fazem parte de muitas famílias, dividindo momentos e o mesmo ambiente. Com essa mudança cultural em relação aos pets, os expomos a certos problemas  que acometem muitos dos humanos. A exposição frequente a substâncias existentes no interior da casa, especialmente aos ácaros de poeira, é a principal razão pela sensibilização de cães com dermatite atópica e gatos com alergias cutâneas e asma.

De acordo com o alergista veterinário, Caio Catalani, Mestre em Alergologia de cães e gatos, Diretor do Instituto Veterinário de Alergia Allergen, pelo fato dos ácaros da poeira serem microscópicos, os tutores não imaginam o quão danosos eles podem ser aos pets. Na verdade, os alérgenos (agentes causadores das alergias) mais comum em cães, gatos e humanos são os ácaros da poeira. Qualquer pessoa alérgica a eles pode atestar os malfadados sintomas associados a eles, principalmente os respiratórios. Da mesma forma, a domesticação de cães e gatos, trazendo-os para dentro de casa, também acabou por sensibilizá-los a este alérgeno tão comum.

Publicidade

Os ácaros da poeira (Dermatophagoides farinae, Dermatophagoides pteronyssinus e, no Brasil, também a Blomia tropicalis) residem em tecidos como carpetes, cobertores, estofamentos, colchões, travesseiros, entre outros, mas especialmente em camas e nos sofás é onde se encontra em maior quantidade. “Eles preferem determinadas temperatura e umidade para se reproduzir. Durante o sono, nós os provemos de tudo o que mais gostam como calor, um ambiente escuro e o mais importante: nossos restos de cabelos e pele descamada. Isso mesmo, os ácaros da poeira se alimentam de restos de descamação de nossa pele, além de bactérias e fungos presentes no ambiente.

Há estudos que indicam que eles prefiram as descamações de peles de indivíduos atópicos pois as gorduras existentes neste tipo de pele são diferentes da pele de indivíduos sadios.

Assim como os humanos, os cães podem se tornar alérgicos a substâncias presentes nas fezes dos ácaros e em outras partes do seu corpo” afirma Catalani.

Geralmente este tipo de alergia é constante, ou seja, não tem uma sazonalidade específica já que o animal está em contato com o ácaro o tempo todo; entretanto, pode haver épocas em que há picos de piora (por exemplo aqui no Brasil), especialmente em épocas de calor que favoreça aos ácaros.

Em cães podem estar presentes todos os principais sintomas da dermatite atópica canina, ou seja: coceira (generalizada ou limitada à face e às patas), infecções de pele recorrentes, inflamações recorrentes das orelhas ou seborréia. Gatos podem apresentar lesões do chamado “complexo granuloma eosinofílico”, coceira (especialmente pescoço e cabeça), acne no queixo, otite recorrente ou lesões nas patas (“pododermatites linfoplasmocíticas”), todos também associados a um provável quadro de atopia.

Publicidade

De maneira geral, de 30 a 80% dos cães atópicos e gatos alérgicos exibem testes cutâneos ou de sangue positivos aos ácaros da poeira. Estes animais se tornam sensibilizados após um certo período de tempo, habitando o ambiente interno da casa.

Uma vez que outras causas (como pulgas ou alergia alimentar) tenham sido descartadas, o alergista pode testar o animal através de diferentes testes alérgicos. O Instituto Veterinário de Alergia Allergen® é referência nos mais modernos testes alérgicos para cães e gatos, realizando testes intradérmicos, testes de puntura, testes de contato, além de testes sorológicos através do sangue.

“Uma vez que os ácaros da poeira habitam o ambiente domiciliar, é automático pensarmos em realizar um controle ambiental retirando tapetes e cortinas, aspirando a casa, expondo colchões e sofás ao sol, etc; infelizmente, estudos científicos demonstram que os benefícios de tais medidas são insuficientes para controlar a doença em cães e gatos” pondera Caio.

Ainda que o controle eficaz dos ácaros não seja uma realidade possível, cães e gatos atópicos não precisam depender exclusivamente do uso de medicamentos para o tratamento das alergias causadas pelos ácaros ambientais. É importante levar ao conhecimento do tutor de que existe modalidades seguras e eficazes de tratamento, como a imunoterapia com alérgenos, popularmente conhecida por “vacinas para alergia”. O tratamento com tais vacinas é individualizado para cada paciente e deve ser acompanhado pelo alergista veterinário que é o profissional capacitado para realizar a formulação correta da vacina e para ajustar o tratamento a cada paciente ao longo do tratamento. As “vacinas” atuam através da produção de anticorpos protetores contra os ácaros. Estes anticorpos circulantes inibem a ativação da resposta alérgica ao se entrar em contato com o ácaro. Com isso, os animais tratados necessitam de menores intervenções, menos medicações, poupando-os de efeitos colaterais, trazendo a eles mais qualidade de vida.

.

Últimas Postagens

Notícias relacionadas:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.